free site design templates

Mais do que um lugar destinado ao estudo e observação das ciências e artes, os Museus devem ser um lugar cheio de vida, ao serviço da comunidade. É com esta premissa em mente e com o objetivo de democratizar o acesso, desmistificando o conceito de "museu", que o Teatro à Solta cria visitas dinâmicas e divertidas, dirigidas a todos os tipos de público.

Museu do Vidro

Marinha Grande

O Vidro foi descoberto há milhares de anos, mas a chegada da Real Fábrica de Vidros mudou para sempre a cidade: as histórias confundem-se e é impossível falar-se da Marinha Grande sem falar de Guilherme Stephens, do Pinhal do Rei ou de mestres vidreiros. Felizmente, há um pedaço desta História preservada no antigo palácio Stephens, pronta a ser descoberta.

Pensada especialmente para os mais novos - mas aberta a participantes de todas as idades - esta aventura vem com reis, moldes, um mergulhador e até um concurso pelo meio.

Museu Marquês de Pombal

Pombal

Que o Marquês de Pombal é uma das figuras mais reconhecidas da História de Portugal, toda a gente concorda. E que foi um homem de grandes feitos, também ninguém duvida, embora alguns se possam considerar algo… controversos.

Se sempre tiveram curiosidade em conhecer Sebastião José de Carvalho e Melo e o museu que o homenageia, esta é a vossa oportunidade: preparámos uma visita interativa, surpreendente e muito animada para ver este espaço - e esta figura - como nunca viram.

Museu Joaquim Correia

Marinha Grande

Para conhecer simultaneamente o
património marinhense e os grandes nomes da literatura local e nacional, eis a visita itinerante que explora e a vida e obra de autores retratados pelo mestre Joaquim Correia - Afonso Lopes Vieira e Francisco Rodrigues Lobo, Gil Vicente, Luís de Camões, Camilo Castelo Branco, Eça de Queirós e Fernando Pessoa.

Esta visita leve, descontraída e multidisciplinar dirige-se a alunos do 3º ciclo e secundário, mas o convite é para toda a comunidade... local, e não só!

COMO SÃO CRIADAS AS VISITAS?


1 - Investigação: começamos pela pesquisa e levantamento da informação que queremos passar aos visitantes. A prioridade é manter o rigor factual, mas não descuramos a componente cómica: há melhor forma de reter a informação do que entre gargalhadas?

2 - Dramaturgia: criamos o texto e as personagens, de acordo com os elementos que temos disponíveis - dados históricos, arquitetónicos, coleção museulógica... todos os elementos são úteis e nada fica de fora!

3 - Ensaios, ensaios, ensaios!: entramos em modo residência artística e fazemos do museu/castelo/mosteiro (as possibilidades são infinitas!) o nosso palco, até que tudo fique perfeito para acolher os visitantes.

4 - Estreia: na data marcada, lá estaremos com toda a dedicação, profissionalismo e carinho, para receber o público e mostrar a "casa" como se fosse nossa!